Síndrome do Intestino Irritável - SII

A Síndrome do Intestino Irritável (SII) é uma das afecções gastrointestinais mais frequentes em nosso meio.

Estima-se que a prevalência da SII esteja entre 5-20% da população.

É uma doença funcional crônica, de caráter benigno, porém com grande impacto sobre a qualidade de vida do paciente acometido.

Acomete mais indivíduos jovens, e de forma predominante do sexo feminino.

 

Diagnóstico e classificação:

Critérios diagnósticos ROMA III para SII (Presença de critérios por no mínimo 3 meses, pelo menos 6 meses antes do diagnóstico)

 

Dor ou desconforto abdominal ao menos 3 dias por mês, nos últimos 3 meses,associados a 2 ou mais dos seguintes critérios:

- Melhora da dor com a evacuação;

- Início associado à alteração na frequência das evacuações;

- Início associado à alteração na forma/aparência das fezes

 

O paciente que preencher estes critérios e não apresentar sinais de alarme, não necessita de investigação adicional, e pode ser tratado como portador da SII.

 

A SII ainda pode ser subclassificada:

- SII-D: predominância de diarreia;

- SII-C: predominância de constipação;

- SII-M: tipo misto, alternância de diarreia e constipação.

 

Temos a SII-C (tipo constipação) como a forma mais comum nas pacientes do sexo feminino, enquanto a SII-D (tipo Diarreia) é o subtipo mais prevalente no geral.

 

Sinais de alarme:

Para determinar que o paciente é portador da SII, é necessário que não haja nenhum sinal de alarme, pois a presença destes requer investigação adicional. Os sinais de alarme mais frequentes são:

- Pacientes com > 50 anos, sem rastreamento para câncer colorretal

- História familiar de câncer colorretal

- Perda de peso

- Sangramento retal

- Mudança recente do hábito intestinal

- Massa abdominal

- Anemia por deficiência de ferro

- Pesquisa de sangue oculto nas fezes +

No caso em que está presente algum dos sinais de alarme, uma investigação mais profunda deverá ser feita, com exames de colonoscopia e exames laboratoriais gerais. Nos casos de SII com predomínio de constipação, alguns estudos podem ser feitos, como tempo de trânsito colônico e manometria anorretal para exclusão de outras causas de constipação.

 

Condições associadas à SII:

- Fibromialgia

- Enxaqueca

- Dispepsia

- Dismenorréia (cólicas no período menstrual)

- Dispareunia (dor durante a relação sexual)

- Ansiedade e Depressão

- Síndrome da Fadiga Crônica

 

Escala de Bristol das fezes:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tratamento:

O tratamento da SII é baseado no controle dos sintomas

 

O tratamento da SII tipo constipação (SII-C) envolve mudanças na dieta e hábitos de vida, exercícios e medicação:

 

- Dieta rica em fibras, tanto solúveis quanto insolúveis

 

- Alguns alimentos ricos em polióis e oligossacarídeos fermentáveis também podem piorar a dor e os sintomas da SII. Assim, é orientada uma dieta hipofermentativa, com restrição de: algumas frutas (como maças, pêssegos, amoras), cogumelos, brócolis, couve-de-bruxelas, alho-poró, alcachofra, algumas leguminosas (feijão, lentilha, soja e ervilhas), além de alimentos derivados do leite.

 

- Os exercícios físicos comprovadamente melhoram os sintomas da SII

 

- Laxativos osmóticos e laxativos irritativos podem ser utilizados na tentativa de melhorar a constipação, porém podem piorar a dor abdominal e favorecer o aparecimento de cólicas.

 

- Os antidepressivos também são utilizados como moduladores da dor no paciente com SII, com um efeito mais prolongado.

 

Guia prático do Departamento de Gastroenterologia Clínica do HCFMUSP
(Grupo de Esôfago e Motilidade Digestiva) – Autores:
Tomás Navarro Rodrigues e Maira Marzinotto.